Utilidade Pública

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Depois do sabão do tataravô e de uma receita mais caseira, resolvemos melhorar a nossa produção e agora ensinamos como fazer sabão com garrafa PET! 

 Pra fazer esta receita em casa, você vai precisar de:

  • garrafa PET
  • óleo de cozinha usado
  • álcool de 46º INPM
  • soda cáustica (não esqueça das luvas e do óculos de proteção)
  • água

Primeiro, aqueça 260 mL de água e dissolva 150 g de soda cáustica nela. Você pode medir 11 colheres de pó também. Mexa aos poucos.

Aqueça 1 L de óleo e coloque em uma garrafa PET, com metade da solução de soda cáustica. Misture bem. Depois, coloque 50 mL de álcool e mexa sem parar durante 20 minutos. Haja braço, hehe.

Se você quiser fazer a sua própria receita, mudando quantidades e o tipo de óleo, a gente recomenda o site Lye Calculator. Ele calcula automaticamente as quantidades certinhas de cada ingrediente que você precisa utilizar! :D

Dica importante: se a garrafa começar a estufar, abra um pouco a tampa para liberar o gás e evitar que o recipiente estoure.

Distribua em várias outras garrafas e copinhos. Espere secar mais ou menos uma semana e ta-dã! Você terá um sabão caseiro feito de garrafa PET e super ecológico, graças à reação de saponificação. ?

 

Fonte:  http://www.manualdomundo.com.br/2015/12/como-fazer-sabao-na-garrafa-pet/


 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Os produtos de limpeza industrializados contêm elementos extremamente prejudiciais ao meio ambiente e que podem causar danos à saúde. Quando não são biodegradáveis, seu contato com a água, terra, plantas e demais elementos da natureza, levam à contaminação do meio ambiente e, como se sabe, a poluição é um grande problema que tem, cada vez mais, destruído o mundo em que vivemos. O dever de cada pessoa é aprender a viver com mais qualidade, fazendo o possível para estar em harmonia com o meio ambiente, realizando suas necessidades, sem agredir o planeta. 

O Direito Ambiental tem como fonte certos princípios que podem ser vistos no presente projeto. O princípio da Prevenção, por exemplo, visa evitar danos ambientais, pois, uma vez causados, são de dificilmente reparados. Já o princípio do Limite, segundo Talden Queiroz Farias diz respeito a “fixar parâmetros mínimos a serem observados em casos como emissões de partículas, ruídos, sons, destinação final de resíduos sólidos, hospitalares e líquidos, dentre outros, visando sempre promover o desenvolvimento sustentável.” Ambos os princípios são vistos neste projeto, uma vez que há a preocupação com o descarte de produtos químicos, que são prejudiciais ao meio ambiente e, por assim ser, o indivíduo ter a necessidade de buscar alternativas sustentáveis.

Para tanto, uma das formas de realizar as atividades domésticas sem utilizar produtos químicos, prejudiciais ao meio ambiente, é a utilização de produtos de limpeza caseiros que, além de não serem nocivos à natureza, são de baixo custo.

Receita 1. A primeira receita a ser indicada é super simples e leva apenas dois ingredientes: sal e suco de um limão. Coloque em um recipiente uma colher de sal e em seguida o suco de um limão inteiro. Essa mistura pode ser utilizada para tirar machas e sujeiras mais grossas. Um lugar onde pode ser utilizado é no fogão, pois ajuda a desengordurar e tirar as sujeiras mais profundas.

Receita 2. A segunda receita também é composta de apenas dois ingredientes: 1 litro de água quente e uma barra de sabão de coco (o da imagem tem 100g). O sabão de coco é biodegradável, portanto, mesmo que comprado pronto, não é nocivo à natureza. Em um recipiente, raspe o sabão em barra, o que pode ser feito com uma faca mesmo. Após, coloque um litro de água quente e dissolva o sabão. Essa mistura pode ser utilizada para limpar o piso, azulejo.

Receita 3. Com apenas dois ingredientes, a terceira receita pode ser utilizada em vários lugares. Em um recipiente coloque 1 litro de água e 5 colheres de vinagre branco. Com essa mistura você pode limpar o mofo do rejunte de azulejos, por exemplo. Esfregue a mistura no rejunte dos azulejos e após 1 hora lave com água e sabão. Para deixar seus copos brilhando, você também pode deixá-los por 15 minutos numa bacia com a água e o vinagre, depois lavá-los normalmente. A mistura também pode ser utilizada para a limpeza de vidros e janelas.

Receita 4. A quarta receita leva 1 litro de água, duas xícaras de vinagre branco e ½ xícara de bicarbonato de sódio. Essa mistura serve como desengordurante, portanto pode ser utilizado em diversos lugares na cozinha. Diversas outras receitas podem ser criadas em casa com o fim de realizar as limpezas domésticas sem gastar muito e contribuindo para com o meio ambiente, utilizando produtos biodegradáveis. Atitudes simples podem ser feitas a cada segundo em prol da harmonia do homem com o meio ambiente, bastando a conscientização de cada um para termos um mundo melhor!

UNOESC - Direito Ambiental 2016/1

Cristine Santiago Ghizoni


 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

SAIBA PORQUE!!!

(A sua melhor "ARMA" contra o mosquito da dengue)

É uma leguminosa que cresce pouco, no máximo 60 centímetros á 1 metro de altura, e não fica do tamanho das demais, onde muitas espécies chegam atingir até 4 metros de altura. Muitas das crotalárias comuns, só florescem após 6 meses há 1 ano. Já a CROTALÁRIA BREVIFLORA logo floresce. Podendo ser plantada inclusive em condomínios. Sendo cultivada como cobertura vegetal, nas entrelinhas de culturas perenes, principalmente no combate ao "MOSQUITO DA DENGUE "AEDES AEGYPTI". Floresce se bem cuidada, em até 90 dias, ou seja: 4 a 5 vezes mais rápido que as outras 550 espécies de crotalárias existentes no mundo, que geralmente demoram de 6 meses a 1 ano para dar flores, esta espécie da "BREVIFLORA", NÃO fica tão alta como as demais espécies existentes. Devido ao seu porte BAIXO, (ANÃO), e o hábito não trepador, e por ser uma espécie má hospedeira de nematóides, tem rápido florescimento, se torna um dos melhores "ADUBOS VERDES" a ser utilizada nas entrelinhas das lavouras de café ou pomares. Má hospedeira de nematóides, contribuindo eficazmente para a diminuição da população destes; Em destaque especial, o terrivel Mosquito da Dengue.

O manejo (corte/incorporação/dessecação) deve ser feito na fase de pleno florescimento, quando o adubo verde apresenta o máximo acumulado de nutrientes. Controla ervas daninhas e fornece nitrogênio para a cultura consorciada. O seu porte baixo permite o trânsito de máquinas e pessoas nas entrelinhas.

Essa planta está sendo utilizada no combate à dengue, porque atrai a libélula, um inseto predador do mosquito da dengue e da febre amarela.

Com o plantio da Crotalária em terrenos baldios, quintais, jardins, vasos e inclusive nas margens dos rios, ela atrai a Libélula que põe seus ovos em água parada e limpa, da mesma maneira que o Aedes Aegypti.

Os ovos nascem, viram larvas e essas larvas se alimentam de outras larvas, inclusive do mosquito transmissor da dengue. Além de tudo isso, a libélula adulta se alimenta de pequenos insetos e o Aedes Aegypti faz parte do seu cardápio, o que pode diminuir a manifestação.

São plantas pouco exigentes e com grande potencial de fixação biológica de nitrogênio. O seu crescimento é mais rápido e tem sido muito usada como adubo verde em rotação com diversas culturas e no enriquecimento do solo.

OUTROS BENEFÍCIOS DE PLANTAR A CROTALÁRIA BREVIFLORA EM SUA CASA, QUINTAL, CHÁCARAS, JARDINS ETC...

  • Considerada um dos melhores Adubos Verde para terras improdutivas, traz Nitrogênio para a terra, e plantas ao redor;
  • Tem características recicladoras, recuperadoras, protetoras, melhoradoras e condicionadoras de solos que não são férties;
  • Aumento da capacidade de armazenamento de água no solo;
  • Controle de nematóides fitoparasitos;
  • Descompactação, estruturação e aeração do solo;
  • Diminuição de amplitude da variação térmica diuturna do solo;
  • Fornecimento de nitrogênio fixado direto da atmosfera;
  • Intensificação da atividade biológica do solo;
  • Produção de fitomassa para formação da cobertura morta;
  • Proteção de mudas-plantas contra o vento e radiação solar;
  • Proteção do solo contra os agentes da erosão e radiação solar;
  • Rápida cobertura do solo e grande produção de massa verde em curto espaço de tempo;
  • Reciclagem de nutrientes lixiviados em profundidade;
  • Recuperação de solos de baixa fertilidade.
    Redução da infestação de ervas daninhas, incidência de pragas e patógenos nas culturas, quintais e jardins;
  • Suprimento de matéria orgânica ao solo.
    Fitorremediação, desintoxicação do solo, redução de metais pesados e/ou resíduos de defensivos;
  • Matéria prima para compostagem;
  • Contribui para o seqüestro de carbono que envenena outras plantas sensíveis.

Fonte: http://www.crotalaria.com.br/ em 28/01/2016

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Crimes e infrações ambientais como supressão de vegetação, queimadas, aterros e bota-foras são comuns em Cotia e muitas pessoas não sabem a quem recorrer nessas situações. Na redação, recebemos muitas ligações de leitores diante dessas circunstâncias. 

De acordo com o Secretário de Meio Ambiente e Agropecuária de Cotia, Rubens Gurgel, qualquer cidadão pode formalizar sua denúncia na Secretaria (contato abaixo). Em relação a bota-foras e aterros, se não houver agressão à vegetação ou invasão de área de preservação permanente ou manancial, a denúncia deverá ser efetivada no setor de Fiscalização da Secretaria Municipal de Habitação e Urbanismo, por meio do Disk Fiscalização (0800 757 10 10).

Queimadas são muito comuns em nossa cidade, mas o que muitos não sabem é que é uma ação criminosa. As pessoas costumam queimar restos de podas de árvores, resto de madeiras ou até mesmo lixo em seus quintais ou em terrenos baldios, principalmente em época de clima seco, o que piora a qualidade do ar e prejudica a saúde da população. Segundo o secretário, as queimadas são concebidas como prática criminosa prevista pelo Decreto Federal 6.514/08, Decreto Estadual 36.551/93 e pela Lei Municipal 1.151/01 (multa de R$ 1. 500,00 a cada 250,00m² atingidos pelo fogo – Inciso V, artigo 4º da referida Lei). As queimadas podem e devem ser denunciadas na Secretaria do Meio Ambiente e Agropecuária.

Desde julho, a Secretaria conta com o auxílio da Guarda Ambiental para averiguar as denúncias recebidas. A Guarda passou a atuar no mês de agosto, antes os agentes participaram do “Curso Preparatório e Treinamento Ostensivo Ambiental” dado por técnicos e fiscais da Secretaria. “Com a presença da Guarda, o trabalho no combate aos crimes que agridem o Meio Ambiente no município ficou mais vigoroso e conseguimos perceber o reflexo do trabalho no número de ocorrências atendidas”, afirma Gurgel.

A Guarda Ambiental conta com seis agentes e possui uma viatura. Questionado se a Guarda consegue atender a demanda, o secretário afirmou que atende dentro do possível.

As principais denúncias que a Secretaria recebe são: Corte de Vegetação (75%) e Queimadas (20%). Segundo Gurgel, diariamente são atendidas no mínimo três denúncias pelo fiscal ou diligência da Guarda Ambiental. Gurgel ressalta que “no caso de supressão arbórea em que não esteja exposto o número da autorização e o órgão competente que a emitiu, qualquer cidadão poderá abordar o executor da supressão e solicitar a visualização da autorização pertinente”.

Existem crimes ambientais em que a fiscalização é de responsabilidade de órgãos estaduais. Questionamos o secretário sobre a conduta da Secretaria nesses casos. Segundo Gurgel, a Secretaria procede de diferentes formas: algumas denúncias são averiguadas e na constatação visual do crime (poluição de corpo hídrico por dejetos industriais, por exemplo) é encaminhado pela Secretaria ao órgão estadual competente para análise e providências cabíveis. Em outras situações, a denúncia é encaminhada imediatamente ao órgão competente e há também algumas situações em que a Secretaria orienta o denunciante sobre a necessidade de registrar a denúncia junto ao órgão estadual competente.

Secretaria do Meio Ambiente

Horário: de segunda a sexta das 8h às 17h.

Tels: 4614-4014 e 4148-2191.

Endereço: Rua: Jorge Caixe, 306, Portão (antigo prédio da PróCotia)

Fonte: http://www.jornaldaqui.com.br/materia.php?id_artigo=4487&id_categoria=25


 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Que tal economizar no bolso com a limpeza de casa e colaborar para a preservação do meio ambiente? Confira as dicas do Instituto Ambiental Brasil e aprenda como se faz sabão utilizando materiais que seriam descartados em sua casa.

Sabão em pedaços:

  • 5 litros de óleo comestível usado (exceto óleo de fritura de peixe).
  • 2 litros de água (fervente).
  • 200 ml de amaciante.
  • 1 kg de soda cáustica.


Preparo:

  • Misture o óleo e a soda.
  • Coloque cuidadosamente a água fervente e mexa bem.
  • Adicione o amaciante, mexa novamente até formar uma mistura homogênea
  • Despeje a mistura em uma forma e espere secar (caixinhas de leite servem como forma). Corte em barras e Pronto! !!

Sabão líquido:

  • 2 litros de água
  • 1 sabão caseiro ralado (uma barra)
  • 1 colher de óleo de rícino
  • 1 colher de açúcar

Preparo:

Ferva todos os ingredientes até dissolver. Depois é só esperar esfriar e engarrafar (use garrafa pet).


Desinfetante de banheiro:

  • 1 litro de álcool (de preferência 70)
  • 4 litros de água
  • 1 sabão caseiro ralado (uma barra)
  • Folhas de eucalipto

Preparo:

Deixe as folhas de eucalipto de molho no álcool por dois dias. Ferva um litro de água com sabão ralado, até dissolver. Juntar a água e a essência de eucalipto. Agora é só engarrafar. (use garrafa pet para guardar)

 

O MEIO AMBIENTE LEVADO A SÉRIO

 

Fonte: Jornal Ambiental - Secretaria do Meio Ambiente


 

Busca

Copyright © 2018 Associação de Amigos Granja Viana II Glebas I e II. Todos os direitos reservados.

Search